5.29.2011

Christine Greiner y Marco Souza, compiladores de IMAGENS DO JAPAO, editado por Annablume, con el apoyo de Japan Foundation, 2011, Sao Paulo, Brasil.

Presentamos el índice y la presentación de este interesante libro, que reúne investigaciones, intervenciones poéticas y provocaciones, editado por Annablume, con el apoyo de Fundacao Japao en Sao Paulo.


Sumário

Introdução - Christine Greiner

Parte 1 – O Japão nas Telas
Samurai Champloo: o tradicional remixado de Shinichiro Watanabe - Roberta Regalcce de Almeida
Imagens e Miragens: O Espaço na Tela e a Subjetividade do Espaço – Marco Souza
Limiar, imagem e corpo: política e estética em Ichi, o Assassino, de Takashi Miike -
André Keiji Kunigami

Parte 2 – Arte e Corpo
A História da arte é globalizada? Um comentário crítico de um ponto de vista do Extremo Oriente - Inaga Shigemi, trad. Marco Souza
Pornoerotismo e estética pop na arte japonesa – José Afonso Medeiros Souza
Orientalismos, japonismos, pós-colonialismos – o papel do corpo na arte de viver junto – Christine Greiner

Inquietações Poéticas
Butô, Kazuo Ohno, Dança Japonesa e Eu?
Letícia Sekito
HAIKU, FORMA POETICA DA MODERNIDADE
Amalia Sato


Parte 3 - O Japão no Brasil, O Brasil no Japão
A recepção dos filmes japoneses nos cinemas da Liberdade - Alexandre Kishimoto
Reinvenção do “Japão inventado”: a experiência do coletivo de artistas moyashis no Centenário da Imigração Japonesa no Brasil - Erika Kobayashi
DO KASATO MARU AO PORTO DIGITAL: AS IDENTIFICAÇÕES E A IDENTIDADE COMUNICATIVA EXPRESSAS EM BLOGS DE DEKASSEGUIS– Juliana Kiyomura
O Instituto de Moralogia: uma etnografia de sentimentos e relações - Letícia NAGAO e Ronan Alves PEREIRA


Introdução
Quando se chega ao extremo, o limite vira ponte

Nem todos sabem, mas o Brasil não possui apenas a maior colônia de imigrantes e descendentes japoneses fora do Japão, como também o maior número de pesquisadores em estudos japoneses de toda a América Latina.
Os temas pesquisados variam muito e, desde 2000, graças à proliferação de estudos (acadêmicos e artísticos) e do crescente interesse de algumas editoras, contamos com uma bibliografia bastante razoável.
O ano de 2008 foi particularmente importante devido às comemorações do centenário da imigração japonesa para o Brasil que despertou novas iniciativas, inclusive no mercado editorial. Atualmente, encontram-se entre os títulos disponíveis: traduções de obras de literatura e poesia japonesa, pesquisas desenvolvidas por brasileiros em universidades que contam com centros de estudos (japoneses, asiáticos e orientais), livros autobiográficos de imigrantes e manuais de divulgação acerca dos mais variados assuntos. Entre eles, destacam-se experiências no campo das artes do corpo, da língua e da literatura, da caligrafia, dos mangás e animês, tópicos referentes à cultura japonesa em geral, economia e negócios, audiovisual, gravuras, culinária, cerâmicas, pinturas, arranjos florais, religião e artes marciais.
Há também algumas traduções de pesquisas realizadas em outros países ocidentais sobre a cultura japonesa, mas esta tem sido uma iniciativa pontual, quase sempre promovida por professores brasileiros com recursos irrisórios, uma vez que não há apoios específicos para este tipo de projeto, o que inviabiliza, muitas vezes, a produção dos livros nas editoras universitárias. Mesmo esta coletânea está sendo viabilizada pelo esforço conjunto dos editores e colaboradores, com um orçamento mínimo, graças ao apoio da Fundação Japão de São Paulo e da editora Annablume.
Como ocorre em todos os campos de conhecimento, o aumento quantitativo da produção nem sempre atesta a sua qualidade. E especificamente no que se refere à cultura japonesa, algumas obras ainda são influenciadas por abordagens que transitam entre a fascinação e o preconceito sutil. Para aprofundar esta discussão, a tradução do texto do professor Inaga Shigemi para este volume, problematiza de maneira bastante aprofundada a questão da globalização na história da arte.
Assim, de modo geral o objetivo desta coletânea não é avaliar a produção bibliográfica dos estudos japoneses no Brasil, nem organizar um panorama das traduções da cultura e da arte japonesa. A proposta é apresentar, lado a lado, estudos originais realizados por novíssimos pesquisadores e por professores já mais experientes que observam o Japão a partir de diferentes ângulos de visão – tanto no que se refere às epistemologias escolhidas, como à sua localização geográfica, umas vez que convidamos autores de diferentes estados do Brasil e também da Argentina e do próprio Japão.
Divididos em três partes e um entreato, os textos transitam por eixos temáticos. Na primeira parte, são apresentadas experiências transculturais veiculadas através das diversas telas: o remix da série de TV Samurai Champloo de Shinichiro Watanabe (Roberta Regalcce de Almeida), as implicações estéticas e políticas do cinema de Takashi Miike (André Keiji Kunigami) e uma análise mais geral acerca da paisagem de telas do mundo atual (Marco Souza).
Na segunda parte, são apresentadas questões provocativas sobre a arte e o corpo. Os debates analisam a globalização e os modos como a história da arte vem sendo abordada (Inaga Shigemi); o pornoerotismo da arte pop (Afonso Medeiros); e a importância dos estudos do corpo na arte de viver junto (Christine Greiner).
No entreato, incluímos inquietações poéticas sobre a morte do mestre de butô Kazuo Ohno (Letícia Sekito) e o Haiku (Amalia Sato).
Na terceira e última parte, o foco são pesquisas de campo realizadas a partir das relações nipo-brasileiras como a chegada dos filmes japoneses no bairro da Liberdade (Alexandre Kishimoto); as reinvenções da arte pop e as ocupações urbanas do coletivo moyashi (Erika Kobayashi); a articulação política dos blogues dos dekasseguis (Juliana Kiyomura); e a formação da moralogia no Brasil (Letícia Nagao e Ronan Alves Pereira).
Em todos os textos e depoimentos, fica evidenciada a importância da remixagem cultural. Nas experiências mais extremas, o que poderia se configurar como um limite, finalmente, torna-se ponte para abrir novos caminhos de diálogo e convivência, colaborando, acadêmica e poeticamente, com as novas comunidades que ainda estão por vir.

Christine Greiner

2 comentarios:

  1. With havin so much content and artiсles do you еνеr run into аnу isѕueѕ οf plаgoгiѕm οг сopyright
    violatiοn? My site has a lоt of excluѕiνе cοntent I've either authored myself or outsourced but it looks like a lot of it is popping it up all over the internet without my permission. Do you know any methods to help prevent content from being stolen? I'd certaіnly appreciаte it.


    my weblοg: http://www.sfgate.com/business/prweb/article/V2-Cigs-Review-Authentic-Smoking-Experience-or-4075176.php

    ResponderEliminar
  2. Ӏt is easy in my ѵiew to gеt a typical e-сіg аnd deciԁe thеy're not for you without researching and looking different products. I started with E-Lites and they are okay but not fantastic. I found these hard to draw/drag on and you had to change the way you smoke to get a gratifying puff regarding smoke. Anyway this isn't an
    assеssment of E-Lites its сritiquing
    the GreenЅmokе so now goeѕ:

    Feel freе to suгf to my ωebsite -
    green smoke 24mg

    ResponderEliminar